quinta-feira, 9 de abril de 2015

BBC Brasil: Aprovação do PL da Terceirização demonstra poder e o peso do Financiamento privado ( empresarial ) na Campanha eleitoral.


Aprovação do PL da Terceirização demonstra poder e o peso  do Financiamento privado (empresarial) na  Campanha eleitoral.
Trabalhadores anunciam paralisação nacional no dia 15 em repudio a aprovação da PL da Terceirização que contou com forte lobby empresarial e apoio do presidente da casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).
Os deputados votaram de acordo com sua legenda, apenas PT, PCdoB e Psol votaram contra a proposta, que tramita há 11 anos no Congresso, mas que foi apontada pelos parlamentares que a aprovaram como necessária para reduzir os impactos da atual redução da atividade econômica. A aprovação do texto base do PL é considerada pelas representações de trabalhadores e por outros movimentos sociais um retrocesso e um ataque a direitos trabalhistas conquistados em diversas lutas do movimento sindical.
Na avaliação de analistas e representantes do Judiciário e entidades diversas da sociedade civil, a autorização resultará em perdas salariais e sociais dos trabalhadores.
Aprovação do PL da Terceirização demonstra poder e o peso  do Financiamento privado (empresarial) na  Campanha eleitoral.

A presidenta Dilma Rousseff disse hoje (9) que a terceirização não pode “comprometer direitos dos trabalhadores”. Em entrevista coletiva, a presidenta disse que o governo acompanha “com muito interesse” a tramitação do projeto de lei que regulamenta o trabalho terceirizado no país, aprovado ontem (8) na Câmara dos Deputados.



“Existe uma questão ligada à terceirização, sim, que precisa ser tratada. Agora, a posição do governo é no sentido de que a terceirização não pode comprometer direitos dos trabalhadores. Nós não podemos desorganizar o mundo do trabalho. E temos de garantir que as empresas contratadas assegurem o pagamento de salários, de contribuições previdenciárias e, ao mesmo tempo, também paguem seus impostos”, disse.