sábado, 1 de agosto de 2015

Apesar da crise, taxa de desemprego é de 11,1% em junho na zona do euro e no Brasil não chega a 8 % .



Os  que querem voltar ao poder, em governar o Brasil, foi um banho de água fria em suas intenções, com a divulgação da taxa de desemprego na zona do Euro.  Essa  notícia que foi destaque na Europa, Estados Unidos e na Ásia e na contra mão, os     jornais no Brasil, o Estadão, Folha de São Paulo e o Grupo Globo  não deram destaque a essa informação.

Para conscientizar a população brasileira, sem tomar partido, neste artigo vamos comparar o desemprego na Zona do Euro e no Brasil.

No Brasil, a taxa de desemprego foi a mais alta em dois anos. O índice de 7,9%, registrado nos três primeiros meses de 2015, é bem maior que o do período imediatamente anterior, e ficou acima da taxa do primeiro trimestre de 2014.

Entre as mulheres e os jovens, o desemprego é maior. A taxa foi de 6,6% para os homens e de 9,6% para as mulheres. Dos jovens de 18 a 24 anos, 17,6% estavam sem trabalho nos primeiros tres meses do ano, mais que o dobro da média nacional, que foi de 7,9%.

"O mercado de trabalho está com uma geração menor de postos de trabalho, mostra uma procura maior por emprego e, consequentemente, o reflexo disso é uma taxa de desocupação maior, um nível de ocupação menor", afirma Cimar Azeredo, coordenador do IBGE.

Para barra esse crescimento do desemprego, além do ajuste fiscal, o governo federal criou, por meio de medida provisória (MP), o Programa de Proteção ao Emprego (PPE), que vai permitir a redução temporária da jornada de trabalho e de salário em até 30%.

De acordo com o ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Miguel Rossetto, "É mais importante usar recursos públicos para manter o emprego do que para custear o desemprego. É um programa ganha-ganha, orientado claramente para manutenção do emprego em um período de crise", afirmou Rossetto, acrescentando que o programa é aberto para qualquer setor da economia que tenha redução de emprego e renda.

Na Europa, a taxa de desemprego na zona do euro permaneceu estável em junho, em 11,1%, segundo dados publicados nesta sexta-feira (31) pelo Eurostat, o escritório europeu de estatísticas.
O dado é o mesmo que o registrado nos meses de abril e maio no conjunto dos 19 países que compartilham a moeda única, e significa uma redução de meio ponto percentual em números interanuais, contra 11,6% de desemprego registrado em junho de 2014.
A taxa de desemprego mais baixa foi a da Alemanha (4,7%), seguida de Malta (5,5%) e Luxemburgo (5,7%).

No outro extremo, sem surpresas, a primeira posição foi para a Grécia, com 25,6%, segundo os dados de abril, os últimos disponíveis. É seguida por Espanha (22,5%),  Chipre (16,2%), Itália  (12,7%),  Portugal  (12,4%) e  na França 9,8%.

Sobre o desemprego jovem, em junho atingia 20,7% da população ativa com menos de 25 anos na UE e 22,5% na zona euro, abaixo dos valores de há um ano, de 22,1% e 23,6%, respetivamente, Em Portugal o desemprego atingia 20,3% dos jovens.

Os países com mais desempregados entre os jovens continuam a ser Grécia (53,2% em abril de 2015) e Espanha (49,2%), mas também Itália (44,2%) e Croácia (43,1% no segundo trimestre). Do outro lado, o desemprego jovem é menos significativo na Alemanha (7,1%), Malta (10%) e Estónia (10,1% em maio) e Dinamarca e Áustria (10,3% cada um).